Ao escolher o deck é importante observar se o material foi produzido especialmente para aplicações externas e para áreas molháveis. Do contrário, a durabilidade e a segurança quanto ao escorregamento podem ficar comprometidas. “Além disso, quando usamos madeira, devemos dar preferência a utilizar o lado frisado da tábua, que é antiderrapante. O mesmo vale para o piso plástico”, recomenda Daniela Sedo.

Durante a instalação a regra é seguir as orientações do fornecedor e observar as garantias oferecidas. Isso porque há muita diferença de qualidade entre os produtos no mercado. No caso do deck de madeira, em especial, certifique-se da origem do lenho e dos tratamentos aos quais ele foi submetido, como por exemplo, secagem em autoclave.

De acordo com a Indusparquet (www.indusparquet.com.br), empresa que produz pisos e decks de madeira, um erro muitas vezes cometido na instalação de decks é não deixar espaçamento necessário entre as placas para dilatação, o que resulta em fissuras e tábuas empenadas. O piso utilizado em ambientes externos sofre mais movimentos de contração e dilatação, por isso, deixe uma distância de, no mínimo, 4  mm entre as réguas de madeira.

Também é fundamental preparar devidamente a área que irá receber o deck. Mônica Sanches lembra que, de forma geral, os ripados sobre grama em terrenos planos são mais simples de serem executados. Nesses casos, basta remover a grama e construir pequenas vigas de concreto no solo, no mesmo sentido do deck, com distanciamentos de 60 cm a 80 cm. Entre essas vigas segue uma camada de manta geotêxtil – para drenagem – coberta por pedriscos. “A ideia é deixar o solo permeável, mantendo a madeira mais seca e mais protegida”, explica a paisagista.

Fonte: UOL Estilo https://estilo.uol.com.br/casa-e-decoracao/noticias/redacao/2012/11/24/alem-da-madeira-saiba-como-escolher-o-deck-ideal-e-quais-sao-as-novidades-no-mercado.htm

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *